Entre os muros da educação

Por Carolina Klautau
É impressionante a quantidade de provocações que “Entre os Muros da Escola” propõe ao espectador. Diversidade cultural, função das instituições sociais, educação da juventude e muitas outras. Mas acima de todas essas polêmicas, dois aspectos ficam cada vez mais claros no cinema europeu: a urgência em fazer o espectador pensar e a abordagem de temas extremamente atuais.
a-turma-by-mister_quim
O professor François, interpretado por François Bégaudeuau escritor do livro que deu origem ao filme, tem a difícil missão de ensinar e – sobretudo – educar jovens da sétima série do ensino fundamental na França. A maioria deles é da periferia e todos já são cheios de personalidade e de visão de mundo. Esses alunos já têm noção do que é ser negro na França e do que é ser filho de imigrantes africanos no país. Atormentados pelo preconceito e pelo xenofobismo, esses jovens são extremamente desacreditados em um mundo melhor. Basta prestar atenção no debate que eles travam, a todo momento, com o professor – branco – François.
O curioso da realidade desses jovens é que eles tinham o poder de mudar a realidade que os pais e avós viveram. Ou seja, poderiam canalizar todo o sofrimento causado pelo preconceito para o bem, para fazer com que a geração deles e as próximas não vivenciassem os mesmos problemas. Mas, no lugar disso, eles se fecharam em uma realidade e quem ousar transpor esse muro vai sofrer as consequências.
Em francês o nome do filme é apenas “Entre os Muros” – o que permite uma interpretação bem mais ampla. Em português, a tradução ficou “Entre os Muros da Escola”. O problema é que no filme, os muros – as limitações – não são só da escola. Nesse caso, os muros são uma metáfora para explicar a dificuldade em lidar com culturas, pessoas, vidas e estilos diferentes dos seus. Saber incluir todos os estudantes de maneira democrática e fazer com que eles sintam-se parte de um processo é a grande missão do educador. Os jovens de “Entre os Muros da Escola” são franceses e da periferia. Mas eles não são nada diferentes da realidade que pode ser encontrada em escolas particulares do mundo inteiro.
wmplayer2009-03-2422-23-10-73
E para fazer com que o público se identifique mais ainda, o diretor Laurent Cantet não selecionou atores. O elenco do filme é composto por pessoas que não tinham nenhuma – ou quase nenhuma – experiência com atuação. O mais curioso desse núcleo é que as ações dos personagens são tão naturais, que não dá para perceber que eles não têm experiência nenhuma com as telas. Talvez nem os jovens atores mais profissionais da França, fossem conseguir transmitir tanta realidade ao filme. Os adolescentes, que realmente são da sétima série, interpretam tipos complexos talvez até sem saber.
“Entre os Muros da Escola” venceu a Palma de Ouro do Festival de Cannes e mostra como um diretor consegue prender o espectador por mais de duas horas com, praticamente, um cenário e uma trama “simples”.
Ficha Técnica:
Entre os Muros da Escola (Entre les Murs)
França – 2007
Direção: Laurent Cantet
Produção: Caroline Benjo, Carole Scotta, Barbara Letellier e Simon Arnal
Roteiro: Robin Campillo e Laurent Cantet, baseado no livro de François Bégaudeau
Fotografia: Pierre Milon, Catherine Pujol e Georgi Lazarevski
Trilha Sonora:
Elenco: François Bégaudeau, Nassim Amrabt, Laura Baquela, Cherif Boundaïdja Rachedi, Juliette Demaille, Dalla Doucure, Arthur Fodel e Damien Gomes.
Duração: 128 minutos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s